Related Articels

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Estou aqui ao som de It's not easy, faixa do disco água mineral da banda Blues Etílicos e tive que postar algo a respeito;













Formado em 1985 no Rio de Janeiro, quando todos os integrantes tinham 22 anos de idade, o grupo dedica-se à mistura entre blues e rock. Lançaram o primeiro LP pelo selo independente Satisfaction em 1988, "Blues Etílicos", ao qual se seguiram outros cinco. O primeiro disco obteve vendagem expressiva para um projeto independente, e foi relançado em CD em 1996. O Blues Etílicos firmou-se como uma das poucas bandas de blues em atividade no Brasil, e a que mais vende discos no gênero. A formação atual conta com Flávio Guimarães, gaita; Otávio Rocha, guitarra; Cláudio Bedran, baixo; Rodolpho Rebuzzi, guitarra, Pedro Strasser, bateria; Greg Wilson, guitarra e voz. "Dente de Ouro", de 1996, insere ritmos tipicamente brasileiros, como baião e capoeira, na sonoridade norte-americana do blues. O gaitista Flavio Guimarães gravou dois CDs solo.
Cliquemusic

O Blues Etílicos é a mais popular banda de blues brasileira.
Recordista em público nos shows e em vendagens de CDs no segmento, a banda estará comemorando 25 anos de carreira em 2010 com o lançamento de seu primeiro DVD, previsto para maio.
O Blues Etílicos já lançou 10 CDs, abrindo shows para B. B. King, Buddy Guy, Robert Cray, Sugar Blue, Ike Turner, Magic Slim e muitas outras atrações internacionais.
A empatia do grupo com o público deve-se à originalidade de compor tanto em inglês quanto português. O vocalista norte americano Greg Wilson confere autenticidade e sotaque correto às canções em inglês. Os solistas de gaita e guitarra, Flávio Guimarães e Otávio Rocha, se destacam nos solos, acompanhados pela cozinha coesa e cheia de swing de Pedro Strasser, na bateria, e Cláudio Bedran, no baixo.

Formação

  • Otávio Rocha - Considerado como melhor guitarrista de slide do país, atua também como guitarrista base e compositor.
  • Cláudio Bedran - Baixista e também fundador da banda, atua como compositor de boa parte das músicas em português do grupo.

Discografia

  • Viva Muddy Waters - 2009 (Delira Blues)
  • Cor do Universo - 2003 (Net Records)
  • Águas Barrentas - Ao Vivo - 2001 (Eldorado)
  • The Best Of Blues Etílicos - 1998 (Eldorado)
  • Dente de Ouro - 1996 (Abril Music)
  • Salamandra - 1994 (Natasha Records)
  • IV - 1991 (Eldorado)
  • San-Ho-Zay - 1990 (Eldorado)
  • Água Mineral - 1989 (Eldorado)
  • Blues Etílicos - 1987 (GHR/Velas)
Wikipedia

Posted on quinta-feira, agosto 26, 2010 by Augusto Mota

No comments

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Bob Dylan - The Original Mono Recordings (2010)Segundo o Site Os Armenios, O senhor Robert Zimerman vulgo Bob Dylan vai lançardia 19 de outubro não apenas uma, mas sim duas caixas para deixar qualquer apreciador de seu legado completamente louco! Confira os detalhes abaixo.












The Original Mono Recordings

Box com 8 CDs ou 9 LPs de 180 gramas (a versão analógica será lançada apenas em dezembro) reunindo os 8 primeiros discos do artista (capa abaixo). Esses álbuns são os mais significativos na carreira do artista, além de serem alguns dos mais importantes de toda história do rock e da música contemporânea. Completando o pacotáço, rola ainda uma livreto com fotos raras e uma entrevista para a Rolling Stone Magazine.
Em pré-venda no site oficial do artista, The Original Mono Recordings custa aproximadamente R$ 200 em CD e R$ 450 em vinil (sem as taxas de postagem e impostos de importação). Quem encomendar já, leva um poster oficial exclusivo.
Confira a lista dos títulos presentes em The Original Mono Recordings:
  • Bob Dylan (1962)
  • The Freewheelin’ Bob Dylan (1963)
  • The Times They Are A-Changin’ (1964)
  • Another Side Of Bob Dylan (1964)
  • Bringing It All Back Home (1965)
  • Highway 61 Revisited (1965)
  • Blonde on Blonde (1966)
  • John Wesley Harding (1967)

The Bootleg Series Vol. 9 – The Witmark Demos: 1962-1964

O baú do Judeu não tem fim mesmo. O que salta dele, para dar corpo ao volume 9 da impressionante Bootleg Series, são as The Witmark Demos (capa ao lado). Para quem não conhece esse material (que já circulou com qualidade duvidosa em uma série de discos piratas), são gravações demo, caseiras e amadoras, de uma série de canções presentes nos primeiros cinco álbuns de Dylan.
Bob Dylan - The Bootleg Series Vol. 9 - The Witmark Demos: 1962-1964Com 47 músicas, esse título será colocado no mercado em formato de CD duplo e vinil quádruplo. Um livreto contextualizando a obra historicamente e recheado de fotos também acompanha o pacote. Em pré-venda no site oficial do artista, The Bootleg Series Vol. 9 – The Witmark Demos: 1962-1964 custa aproximadamente R$ 60 em CD e R$ 210 em vinil (sem as taxas de postagem e impostos de importação). Quem encomendar já, leva uma camiseta oficial exclusiva. Existe a possibilidade de encomendar um combo com os dois títulos, garantindo um desconto.
Confira abaixo a lista completa de faixas.
  • LP 1 – Lado A
1. Man On The Street (Fragment)
2. Hard Times In New York Town
3. Poor Boy Blues
4. Ballad For A Friend
5. Rambling, Gambling Willie
6. Talking Bear Mountain Picnic Massacre Blues
7. Standing On The Highway
8. Man On The Street
  • LP 1 – Lado B
1. Blowin’ In The Wind
2. Long Ago, Far Away
3. A Hard Rain’s A-Gonna Fall
4. Tomorrow Is A Long Time
5. The Death of Emmett Till
  • LP 2 – Lado A
1. Let Me Die In My Footsteps
2. Ballad Of Hollis Brown
3. Quit Your Low Down Ways
4. Baby, I’m In The Mood For You
5. Bound To Lose, Bound To Win
6. All Over You
7. I’d Hate To Be You On That Dreadful Day
  • LP 2 – Lado B
1. Long Time Gone
2. Talkin’ John Birch Paranoid Blues
3. Masters Of War
4. Oxford Town
5. Farewell
  • LP 3 – Lado A
1. Don’t Think Twice, It’s All Right
2. Walkin’ Down The Line
3. I Shall Be Free
4. Bob Dylan’s Blues
5. Bob Dylan’s Dream
  • LP 3 – Lado B
1. Boots Of Spanish Leather
2. Walls of Red Wing
3. Girl From The North Country
4. Seven Curses
5. Hero Blues
6. Whatcha Gonna Do?
7. Gypsy Lou
  • LP 4 – Lado A
1. Ain’t Gonna Grieve
2. John Brown
3. Only A Hobo
4. When The Ship Comes In
5. The Times They Are A-Changin’
6. Paths Of Victory
  • LP 4 – Lado B
1. Guess I’m Doing Fine
2. Baby Let Me Follow You Down
3. Mama, You Been On My Mind
4. Mr. Tambourine Man
5. I’ll Keep It With Mine

Posted on quarta-feira, agosto 25, 2010 by Augusto Mota

No comments

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

A mensageira dos anjos
Com seu cabelo lilás
Aperreava os demônuios
Que habitam as catedrais
Do meu peito de menino
A deusa mãe da preguiça
Falava tão devagar
Era o sussurro da brisa
Era o balanço do mar
Como uma estrela cadente
Entrou na minha morada
Bebeu da minha saliva
Saiu e não disse nada
E eu fiquei sem demônios
Um anjo torto marcado
No céu da boca, no peito
No meu corpo tatuado

Posted on sexta-feira, agosto 20, 2010 by Augusto Mota

No comments

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Rainy Day Women #12 & 35" é uma canção de Bob Dylan é a faixa inicial do seu álbum de 1966, Blonde on Blonde.
A canção é notada pela sua não-usual instrumentação, sendo a única de todo o álbum a apresentar uma banda de metais. A frase "They'll stone you" ("Eles vão chapar você") em todos as linhas dos versos, mais o refrão de "Well, I would not feel so all alone--everybody must get stoned!" ("Bem, eu não me sentiria tão sozinho--todos têm de ficar chapados") também são características marcantes da letra. Na biografia de 1986 feita por Robert Shelton sobre Dylan No Direction Home (não tem relação com o documentário homônimo de Martin Scorsese), relata que a canção foi banida de muitas estações estado-unidenses de rádio e da BBC, devido à paranoia sobre "som de drogas".
A música é um blues simples de progressão em fa. As partes tocadas pelo trombone, pela tuba, pelo piano, pelo baixo, pela bateira e pelo tamborim permanecem praticamente na mesma melodia em todos os versos, mas a harmônica de Dylan e o seu vocal são brutalmente variados e geralmente não na mesma afinação dos outros instrumentos. Podem também ser ouvidas muitas risadas ao fundo, misturadas com um baixo volume e o próprio Dylan ri várias vezes enquanto canta. A canção soa como se estivesse sendo tocadas por músicos sob o efeito de maconha e isso é possivelmente proposital. De acordo com o livro de Howard Sounes Down the Highway: The Life of Bob Dylan, Dylan se recusou a tocar a música sóbrio e vários "Leprechaun Cocktails" (normalmente servidos em copos de licor) foram trazidos para o consumo da banda. Dylan não tocou no álcool, mas estava sob o efeito de drogas.[1]
A canção alcançou o número 2 no Billboard Hot 100 e número 7 no Reino Unido.

Posted on terça-feira, agosto 17, 2010 by Augusto Mota

No comments